FRANCISCO DE ASSIS, SURPREENDENTE

Escrito por omensageiro_master

Francisco, Francesco d’Assisi, Francisco de Pietro Bernardone, uma legenda. Um homem que encarnou o Evangelho todo, homem do século futuro, vida breve mas densa, aquele que queria só o Evangelho, que aceitava diretrizes, mas querendo que o Evangelho fosse, em sua totalidade, sem comentários acomodatícios, sua Regra e sua Vida. Meditar em sua trajetória é sempre um convite para sermos límpidos, recuperarmos a inocência, tornarmo-nos crianças “brincando” na presença de Deus.
Um sonhador, um dançarino, um idealista, um apaixonado por sua Assis. Entra na guerra, queria voltar vitorioso, é feito prisioneiro. Solidão e atenção acurada a uma visitas interiores e misteriosas. Certa feita, n meio dos jovens andava macambuzio: “Por que andas calado? Será que está enamorado? Pensavam os jovens.
Uma capela, um Crucifixo, uma profunda contemplação. Afinal de contas um Deus que se torna tão pobre, tão simplesmente pobre e despojado, um louco amor que vem de longe, ou de perto, para pedir nosso olhar e nosso amor. Um Deus pobre que penetra nesse a assisense que iria dar glória à humanidade e esplendor da Igreja do puro Evangelho.
Um novo jeito de viver, uma roupa mais simples, sem pompas, sem a segurança do amanhã com os negócios da loja do pai, um ser tocado pelo Cristo que vive em sua companhia sob o olhar do Pai que não deixa faltar nada aos seus. Cuidar das chagas do leprosos, pedir que o Amor seja amado, exortar à mudança do coração, viver sem lenço nem documento, muitas vezes doente, mas cantando, na hora do sol e da chuva, do sucesso e do insucesso, sobretudo quando sentiu a obra ficara grande demais e o coração dos irmãos parecia buscar outros sóis, com saudade das cebolas do Egito. Cantando, misturando dor e louvor. Cantando porque na dor o velho homem vai se decompondo.
Mundo novo, mundo evangélico, simples, sem prosopopeias, mundo da ternura, do dar sem ver a quem, com a certeza que estamos no coração do Amor, junto com os menores da face da terra.

Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.