ANTÔNIO, O SANTO DO POVO, E A PANDEMIA!

Escrito por omensageiro_master

Poderíamos chamá-lo de Santo Antônio de  Pádua como é mais conhecido; ou de Lisboa, onde nasceu, e de Pádua onde morreu. Também poderia ser chamado de santo dos Milagres e do Evangelho; amigo  de Deus e santo do povo.  Preferimos dar-lhe esse último título porque, com isso, é sinalizada  a proximidade que o santo viveu e vive com a multidão que, ansiosamente, o acompanhou e o acompanha, ainda hoje, no dia a dia. Assim como foi evangelizador e taumaturgo  naquele tempo em que as pessoas o procuravam, ele ainda é alguém que se faz presente para acudir  casais e famílias, bem como consolar aflitos e mostrar o caminho das virtudes nas mais variadas situações em que o povo simples e carente se encontra.  Na realidade, Santo Antônio, em sua  breve trajetória de vida, deixou um rastro de luz.  Como monge e, depois, franciscano, soube cultivar o desprendimento e a entrega aos planos de Deus. Foi homem comprometido com aqueles que precisavam de apoio e de orientação de vida. Denunciou usurários, gananciosos (inclusive eclesiásticos),  poderosos de seu tempo. Corrigiu aqueles que se haviam desviado da verdade. Por ser conhecedor aprofundado na ciência bíblica e teológica, alimentou de fé, esperança e alegria o coração das pessoas sedentas de espiritualidade. E mesmo àqueles, que não tinham sustento, proporcionou o pão, partilhando sua solicitude para com todos.  Vale a pena, então, reconstruir sua figura carismática para o nosso tempo. Tivemos grandes mudanças, é verdade, com o notável  avanço industrial e tecnológico  de que desfrutamos atualmente. No entanto, apesar de prosperidade e bem estar veio a pandemia; ficamos mais pobres interiormente e, parece, bem  mais angustiados. Falta-nos algo, porque acabamos por nos considerarmos  suficientes a nós mesmos esquecendo-nos que somos criaturas, que não bastam a si mesmas. Já  Santo Agostinho escrevia:” Nosso coração está inquieto até não descansar em Vós, Senhor”.  Pagamos caro a recusa de olhar para o alto: somos infelizes, porque  ignoramos uma experiência libertadora e saudável com Aquele que é nosso Deus, Pai e Salvador! A missão e as atividades de Santo Antônio foram todas elas voltadas para indicar o caminho da fé. E, na medida em que se reconhece a filiação divina ( todos filhos do mesmo Pai), é superado o individualismo. Somente as práticas da justiça e da fraternidade nos enobrecem. “Cessem as palavras, falem as obras”!  Santo Antônio continua a nos repetir isso para que um novo horizonte se abra, colaborando a fim de que a construção da vontade de Deus  se realize no “aqui e agora”. Santo Antônio nos conduza  por esse caminho! Que ao longo destes dias, na espera de um novo tempo (como é chamado de “um novo normal”) não esmoreçamos. Confiemos na misericórdia divina, elevando  nossas preces fervorosas!

Arregacemos as mangas para que, na solidariedade com quem mais sofre, sejamos portadores e  semeadores de PAZ E BEM! Santo Antônio como santo do povo, caminhe conosco!

Frei Diogo L. Fuitem

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.